Jüdisches Museum Berlin (Museu Judaico de Berlim)

  • SumoMe

Museu Judaico de Berlim

Desde a sua abertura em 2001, o Museu Judaico de Berlim tornou-se uma das principais atrações e é um dos museus mais visitados da cidade. Ele é também o maior museu judaico da Europa e sua exposição permanente mostra ao visitante dois milênios de história judaico-alemã, a relação entre judeus e não-judeus assim como os altos e baixos desta relação.

Museu Judaico de Berlim

O prédio em estilo barroco e onde se localiza a entrada para o Museu Judaico de Berlim

O Museu Judaico de Berlim consiste de dois prédios: uma construção antiga em estilo barroco, onde se encontram a entrada, o caixa, salas para exposições temporárias, salas para eventos, a lojinha do museu e um restaurante, e uma construção de arquitetura moderna, onde se encontram as exposições permanentes. Uma passagem subterrânea leva o visitate da entrada, no prédio antigo, ao prédio novo, uma vez que este não tem nenhuma entrada oficial.

Museu Judaico de Berlim

Na maquete pode-se ver à esquerda o prédio antigo e à direita a construção moderna e arrojada em zigue-zague do arquiteto Daniel Libeskind

O impressionante prédio do arquiteto Daniel Libeskind é uma obra de arte da arquitetura moderna que por si só já é uma atração. É um prédio cheio de simbolismos que conecta sua arquitetura com o tema do museu – seu desenho, suas formas, suas estruturas em si recriam atmosferas e contam histórias. A história dos judeus na Alemanha, a perseguição e o holocausto serviram de inspiração para Daniel Libeskind, um filho de judeus sobreviventes do holocausto, desenhar o prédio.  O arquiteto chama seu projeto de “Between the Lines” (Entre as Linhas), pois para ele “são duas linhas de pensamento, organização e relacionamento. Uma é uma linha reta, mas quebrada em muitos fragmentos, a outra é uma linha tortuosa, mas que continua indefinidamente”. O prédio em forma de zigue-zague para muitos lembra a estrela de Davi despedaçada. A fachada  do prédio é revestida de zinco e tem janelas que mais parecem cortes estreitos e outras com formatos diferentes e inusitados.

Museu Judaico de Berlim

Aqui pode-se ver as janelas/recortes de formatos inusitados

Internamente existem cinco corredores lineares que se estendem verticalmente do subsolo até o andar mais alto. Estes corredores são chamados de  „Void“  e são espaços vazios com paredes nuas de concreto.  Os Voids devem lembrar o vazio deixado pela destruição da vida dos judeus na Europa. Em um destes corredores  encontra-se o trabalho do artista israelense Menashe Kadishman, chamado de “Shalechet” ou  “Folhas Caídas”: o chão é coberto por 10 mil rostos feitos de ferro, todos diferentes e faz um barulho quando pisamos sobre eles. Este é o único „Void“  acessível, mas os outros são visíveis de determinados pontos nos andares superiores.

Museu Judaico de Berlim

Os milhares de rostos de ferro de Menashe Kadishman

Após descer a escadaria que liga as construções e entrar no prédio novo teremos a nossa frente três eixos que se cruzam. Estes eixos simbolizam três realidades na história dos judeus na Alemanha:

– O “Eixo do Exílio” leva até a parte externa onde se encontra o “Jardim do Exílio”. O caminho que leva até lá tem paredes levemente inclinadas, o chão é irregular e se torna íngreme, assim como o caminho vai se tornando cada ver mais estreito até chegar numa porta pesada que leva ao jardim. O Jardim do Exílio é composto por 49 blocos de concreto, com plantas no topo, alinhados em um canteiro quadrado. Toda a  área tem uma inclinação de 12 graus para causar a sensação de instabilidade, de desorientação, simbolizando o sentimento dos judeus aos serem expulsos da Alemanha. As plantas que crescen no topo dos blocos simbolizam esperança.

Museu Judaico de Berlim

O “Jardim do Exílio”

– O “Eixo do Holocausto” é um caminho que vai se tornando cada ver mais estreito e escuro e leva até a “Torre do Holocausto”, uma sala de concreto com 20 metros de altura, fria e fechada que tem somente uma pequena abertura no teto por onde entra um único feixe de luz.

Museu Judaico de Berlim

Na “Torre do Holocausto” – escura e fria

Ao longo do “Eixo do Exílio” e do “Eixo do Holocausto”  há vitrines com fotos e objetos que contam histórias de pessoas que emigraram e de outras que foram mandadas para um campo de concentração.

– O “Eixo da Continuidade”, o mais longo dos eixos, tem uma escadaria alta com vigas de concreto se cruzando e que leva à exposição nos andares superiores. Este eixo simboliza a continuação da história, o caminho da conexão que superou os outros eixos.

Museu Judaico de Berlim

Vigas de concreto se cruzando no “Eixo da Continuidade”

Numa área de 3 mil metros quadrados, a exposição permanente mostra a vida dos judeus na Alemanha, da Idade Médias aos dias de hoje. Tudo é contado com documentos, cartas, fotos, imagens,  vídeos, elementos interativos e objetos do cotidiano como móveis, loucas e peças do vestuário. Há muito a ser descoberto no museu sobre as tradições e cultura judaica, como a cozinha kosher, o casamento  judeu, etc. O museu tem também em sua programação exibições temporárias.

Museu Judaico de Berlim

Elementos da exposição

O museu é aberto das 10 às 20hs de terça a domingo e das 10:00 às 22:00hs nas segundas-feiras. O museu fica fechado no dia 24 de dezembro e nos feriados judaicos Yom Kippur e Rosh Hashaná. Crianças até 6 anos não pagam e no primeiro sábado de cada mês a entrada é grátis para as pessoas com menos de 18 anos. Os áudio-guides custam extra.

Preço: Clique aqui para ver

Endereço:  Lindenstr. 9-14 – 10969 – Berlim

Como Chegar:
U-Bahn: Linha U1, estação  Hallesches Tor; Linha U6, estação Hallesches Tor ou Kochstrasse
Ônibus: Linhas 248, parada Jüdisches Museum

 

Atrações Próximas: Checkpoint Charlie,  Checkpoint Charlie Museu

Mais fotos do Museu Judaico de Berlim (clique nas fotos para ampliá-las):

Comentários - Facebook

Comentários

  1. avatar Danilo says:

    Isabel, parabéns pelo site. Achei fantástico. Uma verdadeira aula de história. Irei a Berlim agora em julho, e suas informações estão sendo muito úteis. Abraços. Danilo

Deixe seu comentário

*